(…) Nothing, and is nowhere, and is endless.
[…] Nada, y es ningún sitio, y no tiene final.

Philip Larkin, «High windows» (‘Altos ventanales’)

Carlos Paredes, «Canção Verdes anos», Guitarra portuguesa (1967).

«Coimbra – Largo Romal», foto de Aboutcentro, 2 de julio de 2009.

«Coimbra – Largo Romal», foto de Aboutcentro, 2 de julio de 2009.

A cidade é um chão de palavras pisadas
a palavra criança a palavra segredo.
A cidade é um céu de palavras paradas
a palavra distância e a palavra medo.

A cidade é um saco um pulmão que respira
pela palavra água pela palavra brisa
A cidade é um poro um corpo que transpira
pela palavra sangue pela palavra ira.

A cidade tem praças de palavras abertas
como estátuas mandadas apear.
A cidade tem ruas de palavras desertas
como jardins mandados arrancar.

A palavra sarcasmo é uma rosa-rubra.
A palavra silêncio é uma rosa-chá.
Não há céu de palavras que a cidade não cubra
não há rua de sons que a palavra não corra
à procura da sombra de uma luz que não há.

La ciudad es terreno de palabras pisadas
la palabra niño la palabra secreto
La ciudad es un cielo de palabras paradas
la palabra distancia y la palabra miedo.

La ciudad es un traje un pulmón que respira
por la palabra agua por la palabra brisa
La ciudad es un poro un cuerpo que transpira
por la palabra sangre por la palabra ira.

La ciudad tiene plazas de palabras abiertas
como estatuas mandadas desmontar.
La ciudad tiene calles de palabras desiertas
como jardines mandados arrancar.

La palabra sarcasmo es una rosa rubra.
La palabra silencio es una rosa clara.
No hay cielo de palabras que la ciudad no cubra
no hay calle de sonidos que la palabra no recorra
buscando la sombra de una luz que no está.

José Carlos Ary dos Santos.